a puta que me pariu era a mais linda da rua formosa
eu saí a ela deve ser por isso que mal sorrio os homens perguntam
quanto é
e eu não é nada a puta que me pariu pôs-me a estudar e eu agora
só sorrio e é tudo de graça
e a seguir mostro-lhes o rabo e a seguir as pernas e ponho-me a andar
deixo-os de corpo a abarrotar
de tralha



poema dedicado ao meu nome do meio e há nenhuma fama do pouco proveito que ele tem, de Bénedicte Houart


a 25.3.13
Etiquetas: ,

 

0 comentários: