sou introvertido
as coisas que vejo
colam-se-me à alma
como chiclete
se me comovo, engulo
as próprias lágrimas
quando me rio,
o meu sangue borbulha, e
mesmo as palavras,
alimento-me delas
de resto, estou sempre esfomeado
se o mundo coubesse dentro de mim, 
já teria morrido de indigestão
em contrapartida, extroverto tudo o que ingiro e,
por vezes, até sou notavelmente feliz


poema de Bénédicte Houart em "Vida: Variações II"


a 18.4.13
Etiquetas: , , , ,

 

0 comentários: