Comecei 2015 com dois filmes absolutamente deliciosos. Nenhum deles por sinal deste ou do outro ano. E ambos completamente diferentes entre si. Um foi O Crime da Aldeia Velha, do Manuel Guimarães baseado na obra com o mesmo nome de Bernardo Santareno (este também inspirado num acontecimento verídico que certamente encontram na net se pesquisarem), outro foi este maravilhoso Jeux Interdits, de Réne Clément, que é doce doce doce.

Há algum tempo que deixei de escrever criticas ou opiniões sobre cinema. Há várias razões para isso, passo a explicar: em primeiro lugar se há coisa que me irrita é a prepotência nítida dos vários críticos de cinema que vou lendo aqui e ali e sobretudo em jornais. Não tenho absolutamente pachorra nenhuma para isso, como aliás já antes aqui expliquei. Em segundo, ao contrário do que possa parecer, não gosto nada de entrar em conflito com opiniões que todos nós temos e tantas vezes diferentes porque, em bem verdade, ninguém quer aprender nada, e ninguém está lá muito virado a dissuadir a sua opinião. E guerras de opinião são uma perda de tempo. Cada um tem direito à sua sensibilidade e gosto, e ainda bem, a modos que o cor-de-rosa que enternece a uns, a outros tantos pode muito bem repugnar. E não me venham com linguagem técnica, porque ninguém vê filmes por se usar câmara xis ou ipsílon. Em terceiro, já não tenho muita vontade de escrever seja o que for, para ser sincera. Por isso este blogue acaba muitas vezes por ter apenas meia dúzia de poemas, algumas fotografias minhas e trabalhos que vou fazendo, e alguns cartazes de filmes que ficam registados. Um pouco por amor à memória é que ainda vou insistindo na sua existência.

Posto isto, e voltando ao que interessa, quem não viu este maravilhoso Jeux Interdits faça o favor de ver, nem que seja para depois dizer mal dele. Mas muito sinceramente, não acredito em quem não se enterneça com a doçura e a bela inocência característica da infância entre Michel e Paulette.



a imagem em cima é do Jeux Interdits, pois.


a 26.1.15
Etiquetas: , , , , ,

 

0 comentários: